Novo terminal de BH atenderá 80 mil passageiros diariamente

Rodoviária de BHA partir do segundo semestre de 2017, mais de 80 mil passageiros poderão se acomodar confortavelmente nas dependências do novo terminal rodoviário da capital mineira. Localizado no bairro São Gabriel, região norte da cidade, o terminal de 27,9 mil metros quadrados de construção com distribuição em dois pavimentos deve ser o maior do Estado. No total a obra contempla 70 mil metros quadrados de estrutura, incluindo o sistema viário a ser implantado para a nova realidade da região. O complexo abrigará 41 plataformas para embarque e desembarque, com possibilidade de expansão para 56 em feriados prolongados e finais de semana de maior movimento – coisa que não era possível na atual rodoviária de Belo Horizonte, localizada no centro da capital.

Para a BHTrans essa é uma das principais vantagens desse novo terminal rodoviário. A inauguração do novo complexo rodoviário depende do Anel Rodoviário, que ainda não foi revitalizado, conforme necessidade debatida pelas autoridades. Por enquanto, os usuários que viajam de ônibus na capital devem embarcar e desembarcar no centro da cidade. Para ter espaço suficiente de instalação da nova rodoviária, foi preciso utilizar uma área de três lotes e desapropriar 287 construções – medida que trouxe grandes dificuldades para a prefeitura de BH.

Segundo o prefeito, a prefeitura enfrentou muitas dificuldades com os processos movidos pelos donos dos imóveis na Justiça, mas destacou que está confiante na conclusão da obra no segundo semestre de 2017, conforme prevê o documento assinado com o consórcio responsável.  “O contrato prevê um prazo de 18 meses depois da entrega do terreno. A prefeitura investiu mais de R$ 40 milhões em desapropriações e remoções, com 287 construções, e isso levou muito mais tempo do que nós esperávamos. Inclusive, nós temos três ainda na Justiça após a liberação do terreno”, disse Lacerda, ressaltando que as pendências judiciais não representam obstáculos físicos no caminho da obra, mas sim questionamentos de moradores que já tiveram seus imóveis demolidos.